Desfralde: Quando e como iniciar?

 

desfralde

O desfralde é um tema que vem carregado de dúvidas e de muita expectativa por parte dos pais, seja pela ansiedade de ver o filho conquistando mais uma habilidade, pelo fim das trocas de fralda, ou mesmo pela questão financeira. Entretanto, gostaria de propor aqui uma leitura diferente sobre o tema, que é a do olhar pela perspectiva da criança, buscando o significado que o processo tem pra ela.

 

A retirada das fraldas representa uma importante conquista rumo à sua independência, visto que lhe dá mais autonomia e a “insere” em um convívio social em que tem de seguir algumas regras (avisar, dar descarga, lavar as mãos etc.). Além disso, este é um dos grandes marcos que, para a criança, a diferenciam do bebê: ela se sente grande, capaz, e isso ajuda a construir sua autoestima, a autoimagem e o conhecimento de seu próprio corpo. É, portanto, um processo muito significativo e que, justamente por isso, deve ser vivido de forma tranquila e natural, no tempo da criança e com o apoio e incentivo dos pais.

 

Em termos de maturidade neurobiológica, o processo natural de controle dos esfíncteres acontece em média aos 3 anos. Isso quer dizer que algumas crianças podem adquirir este controle mais próximo dos 2 anos enquanto outras o conseguirão mais próximo dos 4 anos – sobretudo quando se trata de meninos.

 

Entendo que o momento do desfralde deve ser encarado como qualquer outro aprendizado ou marco de desenvolvimento de seu filho. Você se lembra de como seu filho começou a andar? Do ficar sentado, já durinho, ele provavelmente começou a tentar pegar as coisas que via mais ao longe e, após diversas tentativas, começou a engatinhar. Foi aos poucos engatinhando cada vez mais rápido, até que só o engatinhar já não era suficiente, e ele começou a se levantar e a caminhar segurando nos móveis. Com o apoio dos pais, começou a andar segurando em suas mãos, depois apenas nos dedos, até que deu seus primeiros passos. Você, como mãe/pai, provavelmente o ajudou através de estímulos e incentivos, porém quem demonstrou estar preparado e com desejo de caminhar foi o seu filho.

 

No caso do desfralde é a mesma coisa. Além da maturidade física, quando a criança já é capaz de exercer o controle de seus esfíncteres, é necessário que a criança tenha a maturidade psíquica, ou seja, que ela já esteja preparada para esse momento tão importante.

 

Aqui no Brasil, em geral, as pessoas começam o processo cedo e, além da ansiedade dos pais, há toda a pressão social e frequentemente, inclusive, da escola. Muitas crianças pequenas conseguem adquirir essa habilidade sem maiores problemas, porém algumas podem apresentar sintomas posteriores, como a enurese (quando escapa xixi), a encoprese (quando escapa cocô), constipação crônica e infecções urinárias recorrentes.

 

Quais os sinais de que a criança já está pronta?

Todas as crianças têm um processo de amadurecimento normal que inclui o desejo de evoluir, de ganhar mais independência, de ser como o pai e a mãe ou como um irmão mais velho com quem ela se identifica. Você vai perceber que seu filho(a) aos poucos começa a manter a fralda seca por um período maior (3 a 4h) e a se sentir incomodado com a fralda suja. Outras vezes começa a pedir para sentar no vaso sanitário ou no penico (mesmo sem estar com vontade, mas pelo desejo de imitar) e vai adquirindo a capacidade de avisar – no começo após o ato em si, para, aos poucos, conseguir identificar antes mesmo de fazer cocô ou xixi. Esses são alguns dos sinais que demonstram que a criança está no caminho do desfralde.

desfralde2

E como fazer o desfralde?

Para que você possa apoiar seu filho nesse processo da melhor maneira, compartilho aqui algumas dicas práticas:

  • Antes de dar início, converse na escola de seu filho para que sejam aliados nesse processo. É importante para a criança ter essa consistência entre o que ela vê em casa e na escola. Em alguns casos, a própria escola pede o desfralde para que todas as crianças iniciem o processo juntas. Caso não sinta que seu filho esteja preparado ainda, negocie com a escola.
  • Espere um momento tranquilo para fazer o desfralde. Evite épocas em que mudanças importantes estão acontecendo, como a chegada de um irmãozinho, um adoecimento grave na família, mudança de casa ou de escola, pois é muita coisapara a criança assimilar e elaborar de uma vez.
  • Converse com seu filho e explique como será o processo, mostrando as calcinhas/cuequinhas e o penico ou redutor de assento, testando junto com ele.
  • Tenha paciência. Como todo aprendizado, leva um tempo. Podem haver escapes, tanto de xixi quanto de cocô, e é importante que a criança sinta tudo isso como sendo parte do processo, sem ser repreendida. Quando ela acertar, elogie e incentive-a. Desta forma estará mostrando o que é esperado sem repreensões e sem deixá-la ansiosa.
  • Tente ficar tranqüilo/a. A criança percebeo nervosismo/ansiedade dos pais e tende a ficar, ela também, mais ansiosa. Ao invés de ficar perguntando se ela quer fazer xixi, convide-a de tempos em tempos.

 

O tempo do desfralde varia de criança pra criança. Quanto mais preparada ela estiver para este momento (maturidade física e emocional), mais rápido e tranquilo tende a ser o processo.

 

O desfralde noturno vai acontecer naturalmente, após a criança já ter a habilidade desenvolvida durante o dia. Com o tempo ela vai aprendendo a controlar os esfíncteres mesmo à noite e as fraldas vão começar a amanhecer secas. Quando isso acontecer, ela está pronta para dormir sem fralda!

fernanda  Fernanda Costa – Psicóloga Clínica CRP: 06/65457

Fernanda é Psicóloga graduada pela PUC-SP e está se especializando em Psicoterapia da Criança e do Adolescente pelo CEFAS – Campinas. Atende crianças, adolescentes e adultos, realizando psicoterapia e orientação profissional. Regularmente promove Rodas de Conversa gratuitas para pais e educadores em temas relacionados à infância. Fernanda possui uma página no Facebook onde também compartilha seu conhecimento e experiência relacionados à maternidade e infância https://www.facebook.com/rodadeconversainfancia/                                                       É mãe de Lucca e atende na Clínica Steta: Rua Nove de Julho, 718 – Vl. Planalto – Vinhedo Telefones para contato: Clínica: (19) 3876-1462   Cel/WhatsApp (11) 99988-1824                       E-mail: psicologafernandacosta@hotmail.com

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s